Baubo

Baubo, playing with Your skirts,
Performing Your skits,
Spreading open your slits, and
Making us laugh.

Baubo, with Your Wisdom and Humor, of
Various shades and colors,
We stand up and take notice, of
All Your Art and Artifice.

Baubo, You Re-Mind us how to laugh,
How to heal, how to move forward.
Thank You for Your “wise cracks”
That so wonderfully make us “crack” up with laughter and glee.
You, Your Energy, sets us free.

I wholeheartedly encourage all of you to

Padrão

Celso Furtado

“A política de atrair recursos financeiros do exterior, com amplas garantias, conduziu a uma relativa internacionalização do sistema monetário, restringindo a autonomia do Banco Central e aumentando o poder dos grupos financeiros que atuam dentro e fora do país.”
Celso Furtado. “O Brasil pós-milagre”. Rio de Janeiro, Paz e terra, 1981, pg. 64.

Padrão

Carlos Drummond de Andrade

SENTIMENTO DO MUNDO

Tenho apenas duas mãos
e o sentimento do mundo,
mas estou cheio de escravos,
minhas lembranças escorrem
e o corpo transige
na confluência do amor.
Quando me levantar, o céu
estará morto e saqueado,
eu mesmo estarei morto,
morto meu desejo, morto
o pântano sem acordes.
Os camaradas não disseram
que havia uma guerra
e era necessário
trazer fogo e alimento.
Sinto-me disperso,
anterior a fronteiras,
humildemente vos peço
que me perdoeis.
Quando os corpos passarem,
eu ficarei sozinho
desfiando a recordação
do sineiro, da viúva e do microscopista
que habitavam a barraca
e não foram encontrados
ao amanhecer
esse amanhecer
mais noite que a noite.

Carlos Drummond de Andrade
.

Padrão

Parque Augusta e o sentido do público

blog da Raquel Rolnik

A indignação geral com a corrupção, essa abominável apropriação do que é público para transformar em riqueza privada, é eloquente quando se trata de desviar recursos do Orçamento, mas é cega, surda e muda em casos que, embora em contextos distintos, também configuram apropriação do público pelo privado.

Vejamos o caso do parque Augusta: o terreno pertence a incorporadoras, mas nele há um resquício de mata atlântica, um respiro teimoso de natureza em um mar de concreto e cimento, que foi declarado e reconhecido –formal e legalmente– como “área de usufruto e apropriação pública, preservada até o final dos tempos”.

Fechado ilegalmente no final de 2013, o parque foi ocupado no início deste ano por moradores e usuários que tinham o objetivo não de se apropriar do terreno, mas sim de abri-lo ao uso comum, como deve ser.

*Leia coluna completa no site da Folha.

Ver o post original

Padrão

Jean – Pierre Vernant

“A cidade está agora centralizada na Ágora, espaço comum ,sede da Hestria Koiné, espaço público em que são debatidos os problemas de interesse geral .É a própria cidade que se cerca de muralhas , protegendo e delimitando em sua totalidade o grupo humano que a constitui. No local em que se elevava a cidade real – residência privada, privilegiada – ela edifica templos que abre a um culto público. Nas ruínas do palácio, nessa Acrópole que ela consagra doravante a seus deuses , é ainda a si mesma que comunidade projeta sobre o seu plano do sagrado , assim como se realiza no plano do profano, no espaço da Ágora . Esse quadro urbano define ‘efetivamente um espaço mental ; descobre um novo horizonte espiritual. Desde que se centraliza na praça pública, a cidade já é , no sentido pleno do termo , uma pólis.”
Jean – Pierre Vernant . “As origens do pensamento grego”. Difel, pg. 33

Padrão