Joseph Conrad

“Chamaram-me escritor do mar, dos trópicos, escritor descritivo, romântico e realista. Toda a minha preocupação foi chegar ao valor ideal das coisas, dos acontecimentos, dos seres. Os aspectos irônicos, patéticos, apaixonados, vieram deles mesmos; mas, na verdade, são os valores ideais dos fatos e dos gestos humanos que impuseram à minha atividade artística.”
Joseph Conrad. “Lord Jim”. São Paulo: Abril Cultural, 1982, pg. 3

Padrão

Darcy Ribeiro

“Brasília me devolve aos mairuns, aos nossos mitos de criação. Eles situam aqui o que há de mais sinistro. Brasília é o mundo mairum que se transfigura. O pior do nosso mundo aqui se converte. Floresce? Esta região das nascentes do Iparaña para nós é uma espécie de inferno, é a boca do mundo subterrâneo: morada de Mairahú. Aqui só viveram enormes cachorros negros de bocarras gigantescas: os guardiões da morada da Maíra-Monan, meu Deus-Pai, ingênuo, feroz, caprichoso. Assusta pensar que justamente a morada de Maíra- Monan é, agora, o umbigo do Brasil. Qualquer mairum, desaconselharia construir aqui a capital nova. Para nós, tudo de bom deve existir lá para foz do Iparaña, onde esta o Inimaraer, as terra sem mares, nosso paraíso perdido: o reino prometido dos desesperados sem remédio.”
Darcy Ribeiro. “Maíra”. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, pg. 132.

Padrão

Antônio Cândido

“Todos sabem que nas tentativas de reforma social cerceadas pelo golpe de 1964 participaram antigos integralistas identificados às melhores posições do momento.”
Antônio Cândido in Holanda, Sérgio Buarque. “Raízes do Brasil”. Jose Olympio, pg. XIII.

Padrão

Herbert Marcuse

“O homem animal converte-se em ser humano somente através de uma transformação fundamental da sua natureza, afetando não só os anseios instintivos, mas também os ‘valores’ instintivos – isto é, os princípios que governam a consecução dos anseios.”
Herbert Marcuse. “Eros e Civilização”. Rio de Janeiro: Zahar, pg. 34

Padrão

João Cabral de Melo Neto – O Sertanejo falando

João Cabral de Melo Neto – O Sertanejo falando

1.
A fala a nível do sertanejo engana:
as palavras dele vêm, como rebuçadas
(palavras confeito, pílula), na glace
de uma entonação lisa, de adocicada.
Enquanto que sob ela, dura e endurece
o caroço de pedra, a amêndoa pétrea,
dessa árvore pedrenta (o sertanejo)
incapaz de não se expressar em pedra.
2.
Daí porque o sertanejo fala pouco:
as palavras de pedra ulceram a boca
e no idioma pedra se fala doloroso;
o natural desse idioma fala à força.
Daí também porque ele fala devagar:
tem de pegar as palavras com cuidado,
confeitá-la na língua, rebuçá-las;
pois toma tempo todo esse trabalho.

Padrão