Revolução de 1924 - São paulo

Revolução de 1924 – São Paulo

Imagem

O Lamento da Lavadeira

O Lamento da Lavadeira
Monsueto

Ô, dona Maria!
Olha a roupa, dona Maria
Ai, meu deus!
Tomara que não me farte água!

Sabão, um pedacinho assim
A água, um pinguinho assim
O tanque, um tanquinho assim
A roupa, um montão assim
Para lavar a roupa da minha sinhá
Para lavar a roupa da minha sinhá

Quintal, um quintalzinho assim
A corda, uma cordinha assim
O sol, um solzinho assim
A roupa, um montão assim
Para secar a roupa da minha sinhá
Para secar a roupa da minha sinhá

A sala, uma salinha assim
A mesa, uma mesinha assim
O ferro, um ferrinho assim
A roupa, um montão assim
Para passar a roupa da minha sinhá
Para passar a roupa da minha sinhá

Trabalho, um tantão assim
Cansaço, é bastante sim
A roupa, um montão assim
Dinheiro, um tiquinho assim
Para lavar a roupa da minha sinhá
Para lavar a roupa da minha sinhá

Padrão

Portuguese soldiers in Africa, Portuguese Colonial War.Angola

Portuguese soldiers in Africa, Portuguese Colonial War.Angola

Imagem

Kenneth Maxwell.

“No final da década de 1770 Ribeiro Sanches mudou-se para Paris e colaborou com os ‘philosophes’, e muitas de suas idéias entraram na grande enciclopédia. Portanto, não estamos falando aqui de alguém que foi marginal ao Iluminismo no século 18; Ribeiro Sanches foi central a ele, e foi central como exilado português cristão-novo, com um passado fraturado de perseguição e de expressão cultural e religiosa”
Kenneth Maxwell. “Uma dupla comum”. in Mais! 7/10/2001, pg. 16

Padrão

Robert Kurz.

“… quando sei que tudo o que aprendo à custa de esforço perderá valor no momento seguinte, o fôlego de minha atenção será obviamente mais curto, e isso na exata proporção de meu desalento.”
Robert Kurz. “Descartável e degradado” in Folha de S.Paulo, 11/07/1999, pg. 5-7.

Padrão

“Raízes do Brasil”

“A contribuição brasileira para a civilização será de cordialidade – daremos ao mundo o ‘homem cordial’… em que permanece ativa e fecunda a influência ancestral dos padrões de convívio humano, informados no meio rural e patriarcal. Seria engano supor que essas virtudes possam significar ‘boas maneiras’, civilidade. São antes de tudo expressões legítimas de um fundo emotivo extremamente rico e transbordante. Na civilidade há qualquer coisa de coercitivo – ela pode exprimir-se em mandamentos e em sentenças.”
Sérgio Buarque de Holanda. “Raízes do Brasil”. Livraria José Olympio, pg. 106 e 107.

Padrão

Bengala 1943

Bengala 1943

Imagem

A. Toynbee.

“A Humanidade é a espécie mais poderosa até agora, mas é, por si só, má. Os seres humanos são inigualáveis em sua capacidade de serem maus, porque são inigualáveis em terem consciência do que fazem e em fazerem escolhas deliberadas.”
A. Toynbee. “A humanidade e a Mãe-Terra”. Rio de Janeiro: Zahar, 1979, pg. 31.

Padrão